quinta-feira, 30 de outubro de 2008

fashion TARGETs breast cancer 2008 by Lanidor



Espirito cor-de-rOsa

[30 Outubro ] Dia Nacional da Prevenção do Cancro de Mama em Portugal, vamos vestir uma peça rosa em solidariedade à Campanha, e para lembrarmos a Laço. A Laço como todos sabem é uma Associação de Voluntariado que tem por objectivo a melhoria da prevenção, diagnóstico e tratamento do Cancro de Mama em Portugal.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

23.10.08 > Day One

às vezes... pensamos ter a nossa vida 'arrumada' .. as coisas parecem tomar o seu rumo.. td parece encaixar nos sítios onde é suposto.. a carruagem parece retomar a sua marcha.. as 'prateleiras' estão arrumadas... o chão livre de obstáculos, de objectos fora do seu lugar...
nice & neat..
Respiro fundo.. fecho os olhos, com a alma preenchida de contentamento, serenidade, alívio e confiança ... apenas pq csgo olhar além do nevoeiro e vislumbrar o idilico amanhã, onde td parece + perto de acontecer... apenas e somente pq o vislumbro..

Pestanejo... e de repente!... caem os objectos.. as prateleiras estão agora desarrumadas... o chão caótico, a carruagem parece abrandar a marcha... uma neblina instalou-se .................
já nada parece tão claro... tão certo. Porquê? .. n encontro resposta. Decido que não vou, não posso ficar à espera dela.. arregaço as mangas e tento recomeçar tudo de novo.. e acreditar! principalmente acreditar.. que a seu tempo, a neblina vai passar... e o idílico amanhã não parecerá distante e submerso...

Vai passar e vais ficar bem. Eu sei. N me perguntes como, mas sei.
Hj começa a tua (nossa) jornada por 1 caminho novo e dificil.. vamos faze-la tds juntos e tudo vai ser menos pesado, vais ver. E no fim, vamos descansar sobre a calmaria que sp surge depois da tempestade. Cansados, mas felizes pk a vencemos..
Força! é so isso que preciso que tenhas.

sábado, 18 de outubro de 2008

Leave OUT all the rest ...

Não me canso de ouvi-los, e qd penso k já me surpreenderam o suficiente...
Bom Fim-de-Semana p vcs*

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

De que tamanho queres ser?

(...)
A Lagarta e Alice olharam-se por algum tempo, em silêncio: por fim, a Lagarta tirou o narguilé da boca, e dirigiu-se à menina com uma voz lânguida, sonolenta.
“Quem é você?”, perguntou a Lagarta.
Não era uma maneira encorajadora de iniciar uma conversa. Alice retrucou, bastante timidamente: “Eu — eu não sei muito bem, Senhora, no presente momento — pelo menos eu sei quem eu era quando me levantei esta manhã, mas acho que tenho mudado muitas vezes desde então. "
“O que você quer dizer com isso?”
, perguntou a Lagarta severamente. “Explique-se!”
“Eu não posso explicar-me, eu receio, Senhora”, respondeu Alice, “porque eu não sou eu mesma, vê?”
“Eu não vejo”
, retomou a Lagarta.
“Eu receio que não posso colocar isso mais claramente”, Alice replicou bem polidamente, “porque eu mesma não consigo entender, para começo de conversa, e ter tantos tamanhos diferentes em um dia é muito confuso.”
“Não é", discordou a Lagarta.
“Bem, talvez você não ache isso ainda, afirmou alice, mas quando você transformar-se numa crisálida — você irá algum dia, sabe — e então depois disso numa borboleta, eu acredito que você irá sentir-se um pouco estranha, não irá?”
“Nem um pouco"
, disse a Lagarta.
“Bem, talvez os seus sentimentos possam ser diferentes”, finalizou Alice, “tudo o que eu sei é: é muito estranho para mim.”
“Você!”
, disse a Lagarta desdenhosamente. “Quem é você?”
O que as trouxe novamente para o início da conversação. Alice sentia-se um pouco irritada com a Lagarta fazendo tão pequenas observações e, empertigando-se, disse bem gravemente: “Eu acho que você deveria dizer-me quem você é primeiro.”
“Porquê?”
, perguntou a Lagarta.
Aqui estava outra questão enigmática, e, como Alice não conseguia pensar nenhuma boa razão, e a Lagarta parecia estar muito chateada, a menina despediu-se.
“Volte!”, a Lagarta chamou por ela. “Eu tenho algo importante para dizer!”
Isso soava promissor, certamente. Alice virou-se e voltou.
“Mantenha a calma”, disse a Lagarta.
“Isso é tudo?”, retrucou Alice,engolindo a sua raiva o quanto pôde.
“Não", respondeu a Lagarta.
Alice pensou que poderia muito bem esperar, já que não tinha nada para fazer, e talvez no fim das contas ela poderia dizer algo que valesse a pena. Por alguns minutos a Lagarta soltou baforadas do seu cachimbo sem falar; afinal, ela descruzou os braços, tirou o narguilé da boca novamente e disse: “Então você acha que mudou, não é?”
“Temo que sim, Senhora”, respondeu Alice. “Não me consigo lembrar das coisas como antes — e não mantenho o mesmo tamanho nem por dez minutos!”

(...)

“De que tamanho você quer ser?”, ela perguntou.
“Oh, eu não ligo para qual tamanho”, respondeu Alice apressadamente, “apenas um que não fique mudando sempre, sabe?”
“Eu não sei", retrucou a Lagarta.
Alice não disse mais nada: ela nunca fora tão contradita em toda sua vida antes e sentia que estava a perder a paciência.
“Você está satisfeita agora?”, indagou a Lagarta. Bem, eu gostaria de ser um pouco maior, Senhora, se não se importar”, disse Alice, “oito centímetros é um tamanhozinho um pouco pequeno demais.”

“É um óptimo tamanho certamente!”, vociferou a Lagarta, levantando-se enquanto falava (ela tinha exactamente oito centímetros de altura).
“Mas eu não estou acostumada com isso!”, alegou a pobre Alice num tom consternado.
“Você acostumar-se-á com o tempo”, retrucou a Lagarta, e colocou o narguilé na boca, e começando a fumar novamente.
Desta vez Alice esperou pacientemente até a Lagarta querer falar novamente. Depois de um ou dois minutos a Lagarta tirou o cachimbo da boca, e bocejou uma ou duas vezes e espreguiçou-se. Então desceu do cogumelo e arrastou-se para longe, simplesmente observando, ao sair: “Um lado irá fazê-la crescer e o outro irá fazê-la diminuir.”
“Um lado do quê? Outro lado do quê?", pensava Alice consigo mesma.
“Do cogumelo!", respondeu a Lagarta, como se Alice tivesse falado alto, e no momento seguinte estava fora da vista.
Alice permaneceu olhando pensativamente para o cogumelo por um minuto, tentando compreender quais eram os dois lados da planta, e, como ela era perfeitamente redonda, sentiu-se no meio de uma questão difícil. Por fim, a menina esticou seus braços o mais que pôde em torno do cogumelo e cortou um pedaço da borda com cada mão.
“E agora, qual é qual?”
(...)

'Alice no País das Maravilhas' , cap. V
Lewis Carroll
Tradução: Clélia Regina Ramos
Fonte: www.ebooksbrasil.org

because it makes me dream...

Esta musica tem o poder de me fazer sonhar.. umas vezes sorrir.. outras chorar...
Faz-me levitar no pensamento ... gosto qd me surpreende pela radio.. no caminho até casa..